In Olfact

Nunca paremos para pensar como é importante sentir o sabor dos alimentos. Só damos importância quando perdemos essa capacidade, e mesmo assim, demoramos a perceber que há algo errado com nosso paladar. 

As alterações no paladar podem ser causadas por diversos fatores, incluindo doenças.

 

  • Doenças Neurodegenerativas

Fleiner et al., 2010 avaliaram a função olfatória e gustatória de 16 indivíduos com Esclerose Múltipla. Os resultados confirmaram a presença de alterações olfatórias e gustatórias nos indivíduos com a doença. 

Duarte (2014) em sua dissertação de mestrado investigou a capacidade olfatória e gustatória em indivíduos com a doença de Parkinson e doenças neurodegenerativas corticais (DNC). O autor identificou que os sistemas olfatório e gustativo em indivíduos com doenças neurodegenerativas, tanto corticais quanto subcorticais apresentam comprometimentos significativos.

Sakai et al., 2016 avaliaram 32 pacientes com doença de Alzheimer quanto aos limiares de detecção e reconhecimento das quatro categorias de sabores (doce, salgado, azedo e amargo). Os resultados sugeriram que a progressão da doença acarreta um declínio na capacidade gustatória do indivíduo. Abaixo alguns estudos sobre o tema. 

 

  • Asma

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas. 

Arias-Guillén (2019) avaliou em seu estudo, dentre outros objetivos, o impacto da asma sobre a sensibilidade gustativa. A amostra foi composta por 91 crianças, com idade entre 6 e 7 anos. A avaliação da sensibilidade gustativa ao doce e amargo demonstrou que o grupo de crianças asmáticas precisou de concentrações mais altas para conseguir diferenciar as soluções quando comparados com o Grupo Controle (crianças sem asma). 

 

  • Rinossinusite Crônica (RSC)

É uma doença inflamatória crônica das vias aéreas superiores, mais especificamente localizada na mucosa nasal e nos seios paranasais. 

Wolf et al. (2018) investigaram a função gustatória em indivíduos adultos com quadro de RSC. O estudo demonstrou que a RSC reduz a capacidade gustatória, sendo que o sabor amargo foi o mais comprometido.

 

  • Radioterapia em Câncer de Cabeça de Pescoço

Barbosa da Silva et al. (2019) avaliaram qualitativamente e quantitativamente a função gustatória de pacientes que foram submetidos a radioterapia dentro e fora da cavidade oral. O estudo demonstrou que todos os pacientes apresentaram alterações severas de paladar imediatamente após a radioterapia. Houve uma diminuição da sensibilidade para o sabor doce e amargo em ambos os grupos, porém o sabor azedo só se alterou no grupo que recebeu radiação na cavidade oral. 

 

  • Envelhecimento

Diversos estudos já demonstraram que o envelhecimento ocasiona uma diminuição da função gustatória, e na maioria das vezes está associada com a alteração olfatória. 

Lannilli et al., 2017 realizaram um ensaio clínico randomizado controlado no qual investigaram as diferenças no processamento da informação sensorial relacionada com a idade. Para tanto realizaram os Potenciais Evocados relacionados a eventos gustativos (GERPs). Segundo os autores, os testes psicofísicos demonstraram diminuição significativa do paladar com o aumento da idade. A eletroencefalografia (EEG) mostrou que a alteração do processamento gustatório relacionada à idade pode ser associada à ausência de um mapa específico, tendo como fontes o interior do cerebelo e ínsula posterior, além de outras regiões. Esses achados confirmam que o envelhecimento provoca não só uma degeneração periférica dos botões gustatórios, mas também importantes alterações corticais. 

 

  • COVID-19

Desde o surgimento do novo coronavírus (SARS –CoV-2) em Wuhan na China em 2019, diversos estudos já relataram alterações olfatórias e gustatórias nos indivíduos com tiveram a doença. 

Luers et al (2020) relataram que dois terços dos pacientes europeus que foram acometidos pelo COVID -19 apresentaram disfunção no olfato e paladar.

Tong et al (2020) através de uma revisão sistemática com metanálise verificou a prevalência global de disfunção olfatória e gustatória em pacientes com COVID-19. Os pesquisadores identificaram uma prevalência de 43,93% de alterações gustatórias dentro os nove estudos analisados na revisão.

 

Como vimos, além dos citados acima, muitos fatores e doenças podem afetar nosso paladar. E você reparou que o olfato está intimamente relacionado com as alterações no paladar?

No próximo artigo veremos como esses dois sistemas se relacionam.

IMPORTANTE!!!

Em todos os casos, quando suspeitar de alteração no paladar, procure orientação médica para verificar a causa. O diagnóstico precoce possibilita melhores resultados no tratamento. 

 

Referências

DUARTE, FM. Capacidade olfatória e gustativa na doença de Parkinson e nas doenças neurodegenerativas corticais. 2014. 93 f. Dissertação (Mestrado em Nutrição e Saúde) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.

FLEINER F, DAHLSLETT SB, SCHMIDT F, HARMS L, GOEKTAS O. Olfactory and gustatory function in patients with multiple sclerosis. Am J Rhinol Allergy. 2010; 24: e93-e97. doi:10.2500/ajra.2010.24.3506. 

SAKAI M, IKEDA M, KAZUI H, SHIGENOBU K, NISHIKAWA T. Decline of gustatory sensitivity with the progression of Alzheimer’s disease. Int Psychogeriatr. 2016; 28:511-17. doi:10.1017/S1041610215001337. 

ARIAS-GUILLÉN CJ. Impacto da asma sobre a sensibilidade gustativa e o comportamento mastigatório e alimentar em crianças. 2019.82p. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP.

WOLF A, RENNER B, TOMAZIC PV, MUELLER CA. Gustatory Function in Patients With Chronic Rhinosinusitis. Ann Otol Rhinol Laryngol. 2018;127:229-34. doi:10.1177/0003489418754583

BARBOSA DA SILVA JL, DOTY RL, MIYAZAKI JVMK, ET AL. Gustatory disturbances occur in patients with head and neck cancer who undergo radiotherapy not directed to the oral cavity. Oral Oncol. 2019;95:115-119. doi:10.1016/j.oraloncology.2019.06.008.

IANNILLI E, BROY F, KUNZ S, HUMMEL T. Age-related changes of gustatory function depend on alteration of neuronal circuits. J Neurosci Res. 2017;95:1927-36. doi:10.1002/jnr.24071. 

LUERS JC, ROKOHL AC, LORECK N, et al. Olfactory and Gustatory Dysfunction in Coronavirus Disease 19 (COVID-19). Clin Infect Dis. 2020;525. doi:10.1093/cid/ciaa525.

TONG JY, WONG A, ZHU D, FASTENBERG JH, THAM T. The Prevalence of Olfactory and Gustatory Dysfunction in COVID-19 Patients: A Systematic Review and Meta-analysis. Otolaryngol Head Neck Surg. 2020;194599820926473. doi:10.1177/0194599820926473. 

Recent Posts
Entre em contato conosco

Responderemos o mais breve possível.

WhatsApp chat