In Olfact

A cavidade nasal começa a se desenvolver por volta da nona semana de gestação. Durante a vida intra-uterina o bebê recebe informações olfativas e gustativas de sua mãe que influenciarão na percepção de odores e nas preferências alimentares após o nascimento. Nos recém-nascidos o olfato tende a ser o sentido mais desenvolvido.

Estudos relatam que a criança prefere os cheiros e sabores de alimentos que participaram da dieta materna, além do odor de sua própria mãe. A exposição a partículas odoríferas, desde o início de nosso desenvolvimento, modela a formação dos bulbos olfativos e dos glomérulos, que são estruturas que processam os odores.

Esse sentido permite o desenvolvimento da primeira forma de vínculo afetivo no contato sensorial entre a mãe e o bebê. Sabe-se que o cheiro materno tem o poder de acalmar a criança. Ademais, atua como um meio de identificação para os recém-nascidos. Com o passar do tempo, é que eles utilizarão a audição e a visão para o reconhecimento das pessoas ao redor.

Bibliografia:
Effects of in utero odorant exposure on neuroanatomical development of the olfactory bulb and odour preferences.
Todrank J, Heth G, Restrepo D. Proc Biol Sci. 2011 Jul 7;278(1714):1949-55. doi: 10.1098/rspb.2010.2314. Epub 2010 Dec 1.

Recent Posts
Entre em contato conosco

Responderemos o mais breve possível.

WhatsApp chat