In Olfact

O novo coronavírus que está causando uma pandemia mundial em 2020 também provavelmente pode causar perda do olfato. Além dos sintomas mais relatados, como febre, dor de garganta e febre, essa família de vírus também pode causar perda da capacidade de sentir cheiros nas pessoas infectadas, chamada de perda do olfato pós-infecciosa. Não há ainda estudos científicos comprovando que esse novo vírus cause essa perda, mas a família na qual está inserido pode acarretar essa disfunção. Além disso, há relatos dos novos infectados sobre esse sintoma.

A perda olfatória pós-infecciosa é causada pela infecção viral nas vias aéreas superiores, o que danifica células envolvidas no olfato.

Além da família dos coronavírus, outros vírus também podem causar esse tipo de perda do olfato, como o parainfluenza III e o rinovírus.

Essa perda pode ser passageira e a capacidade olfatória ser recuperada, sendo que as taxas de recuperação espontânea variam entre aproximadamente 20% e 68% dos casos.

A menor gravidade dos danos teciduais, não ser fumante, ser do sexo feminino, apresentar disosmia (distorção dos cheiros) e ter idade não avançada são fatores que constituem bom prognóstico para recuperação espontânea.

Se o olfato não voltar ao normal após o término dos outros sintomas gripais, um médico especialista em otorrinolaringologia deve ser consultado para tratamento dessa condição.

 

Referências

ABR and ABORL-CCF (2020) ‘4a NOTA DE ORIENTAÇÃO AOS MÉDICOS OTORRINOLARINGOLOGISTAS EM RELAÇÃO À DOENÇA CAUSADA PELO NOVO CORONAVÍRUS (COVID-19)’, in, pp. 1–3.
Deems, D. et al. (1991) ‘Smell and taste disorders, a study of 750 patients from the University of Pennsylvania Smell and Taste Center.’, Arch Otolaryngol Head Neck Surg, 117(5), pp. 519–528.
Duncan, H. J. and Seiden, A. M. (1995) ‘Long-term Follow-up of Olfactory Loss Secondary to Head Trauma and Upper Respiratory Tract Infection’, Archives of Otolaryngology – Head and Neck Surgery, 121.
Hummel, T., Landis, B. N. and Hüttenbrink, K.-B. (2011) ‘Smell and taste disorders.’, GMS current topics in otorhinolaryngology, head and neck surgery, 10, p. Doc04. doi: 10.3205/cto000077.
Konstantinidis, I. et al. (2013) ‘Use of olfactory training in post-traumatic and postinfectious olfactory dysfunction’, Laryngoscope, 123(12), pp. 1–6. doi: 10.1002/lary.24390.
Reden, J. et al. (2011) ‘Treatment of postinfectious olfactory disorders with minocycline: A double-blind, placebo-controlled study’, Laryngoscope, 121(3), pp. 679–682. doi: 10.1002/lary.21401.
van Riel, D., Verdijk, R. and Kuiken, T. (2015) ‘The olfactory nerve: a shortcut for influenza and other viral diseases into the central nervous system.’, The Journal of pathology, 235(2), pp. 277–87. doi: 10.1002/path.4461.
Suzuki, M. et al. (2007) ‘Identification of viruses in patients with postviral olfactory dysfunction.’, The Laryngoscope, 117(2), pp. 272–277. doi: 10.1097/01.mlg.0000249922.37381.1e\r00005537-200702000-00016 [pii].
Wang, J. H., Kwon, H. J. and Jang, Y. J. (2007) ‘Detection of parainfluenza virus 3 in turbinate epithelial cells of postviral olfactory dysfunction patients’, Laryngoscope, 117(8), pp. 1445–1449. doi: 10.1097/MLG.0b013e318063e878.

Recent Posts
Entre em contato conosco

Responderemos o mais breve possível.

WhatsApp chat